Descarbonização

Brasil reúne condições para ser um dos primeiros países do mundo na transição para uma economia de baixo carbono e reverter as mudanças climáticas.

O Brasil tem tecnologia, história e recursos humanos e naturais para fazer uma transição para formas de produção que não lançam na atmosfera os gases de efeito estufa. E isso pode ter efeitos benéficos para o país como um todo.

Por um lado, entendemos que já existe um longo histórico de debate e construção de alianças para lidar com as emissões derivadas do uso da terra no Brasil. No entanto, há um grande espaço ainda a ser trilhado em outros segmentos de emissões. Principalmente naquelas relacionadas ao uso de energia.

Por isso, lançamos o desafio de traçar esse caminho em conjunto. Começamos com uma meta e uma pergunta: qual caminho seguir para chegar em 2050 com emissão zero na matriz de energia do país? O projeto​Brasil Carbono Zero 2050​, liderado pelo Observatório do Clima (OC) e pelo Grupo de Trabalho (GT) Infraestrutura, pretende começar a traçar esta rota.

A partir de uma rodada de workshops com especialistas, pesquisadores, setores interessados e tomadores de decisão, será desenhado de forma colaborativa o passo a passo para chegar a 2050 com emissões líquidas zero na geração de energia elétrica, nos transportes e na indústria. A intenção é promover espaços de diálogo franco e colaborativo para que os desafios à descarbonização do Brasil sejam identificados e compreendidos, desde os diferentes pontos de vista dos atores-chave de cada setor.

Este mapa do caminho deverá ser revisto periodicamente, à luz da evolução da política brasileira e dos avanços técnico-científicos e de gestão nos campos do conhecimento, da técnica e dos setores econômicos prioritários para a descarbonização. O projeto Brasil Carbono Zero 2050 tem o suporte financeiro da Oak Foundation e contrapartidas do Instituto Clima e Sociedade (iCS). Foi convocado pelo Observatório do Clima e pelo GT Infraestrutura. É organizado pelo Instituto Energia e Meio Ambiente (IEMA), Instituto Centro de Vida (ICV), WRI Brasil, ClimaInfo e O Mundo Que Queremos.