Onde Atuamos

O GT Infraestrutura é um grupo de trabalho que nasceu para facilitar a aprendizagem e compartilhar o conhecimento.

Inicialmente, os participantes do GT decidiram focar suas atividades primeiramente no tema das hidrelétricas a fim de buscar uma melhor compreensão da problemática e uma coesão de posição da sociedade civil. A proposta inicial era demonstrar ser possível reduzir a necessidade de novas hidrelétricas no bioma amazônico através da análise crítica e debate das decisões do governo quanto a este tema, incluindo questões como matriz energética, eficiência energética e casos emblemáticos (Tapajós).

Hoje, são 40 organizações socioambientais participantes, além de observadores e cientistas convidados, que debatem uma nova infraestrutura para o Brasil, que garanta justiça socioambiental, através da potencialização das aprendizagens com capacitação, troca de informações e a viabilização de trabalhos sinérgicos entre elas.

A atuação é no sentido de influenciar positivamente no planejamento estratégico e no desenvolvimento do país, em diversas frentes, por meio da somatória de esforços das organizações que compõem o GT.

Conheça outros temas em que o GT Infraestrutura atuou recentemente:

  1. Modelo de desenvolvimento do setor elétrico
    1. Construção de uma visão compartilhada sobre os principais desafios para o modelo de desenvolvimento do setor elétrico
    2. Posicionamento sobre novas hidrelétricas que estão no planejamento do Governo Federal
    3. Promoção do seminário “As Pequenas Centrais Hidrelétricas e o Licenciamento Ambiental Simplificado (PL 1962/15)”, na Câmara dos Deputados
  2. Licenciamento Ambiental
    1. Posicionamento e proposta do GT sobre licenciamento ambiental
    2. Estratégia conjunta de monitoramento dos projetos de lei em curso
  3. Integridade da Bacia do Rio Tapajós
    1. Visão integrada dos projetos de energia, logística e mineração e seus efeitos no uso da terra
    2. Sensibilização e mobilização da opinião pública
    3. Apoio ao fortalecimento das comunidades locais do Tapajós
  4. Desmatamento e Queimadas na Amazônia
    1. Monitoramento dos índices de desmatamento e queimadas e das políticas públicas de prevenção e controle
    2. Promoção do seminário “Desmatamento e Queimadas na Amazônia: Tendências, Dinâmicas e Soluções”, na Câmara dos Deputados
    3. Construção de declaração conjunta (carta assinada por 110 organizações da sociedade civil) sobre a crise do desmatamento e queimadas na Amazônia
    4. Entrega da declaração conjunta, que aponta os retrocessos das políticas públicas de proteção à Amazônia e as soluções para cessar sua destruição, na Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP25), em Madri (ES)